MENU

18/07/2022 às 13h42min - Atualizada em 18/07/2022 às 13h42min

Alicante, a princesa moura do Mediterrâneo

Lutero Barbará

Lutero Barbará

Diretamente de Barcelona - Espanha.

Lutero Barbara - Papo Sabor
Em tempos de domínio mulçumano um Califa governava Alicante quando esta ainda não se chamava assim. O governante era  pai de uma belíssima princesa moura chamada Cántara. Narra a lenda que dois dignos pretendentes pediram a mão da princesa ao Califa e este designou aos interessados tarefas distintas para provarem o seu valor, porém só um receberia como prêmio a mais bela jóia de toda costa mediterrânea. Almanzor, o primeiro pretendente, foi enviado à Índia para trazer espécies, enquanto Ali, o segundo, ficou responsável de construir um canal de irrigação.

Almanzor viajou durante meses e Ali permaneceu no reino, perto da princesa. Ali não se empenhou muito na sua tarefa encomendada, mas em compensação sussurrou nos ouvidos de Cántara os mais belos poemas. Plena de carinho e atenção foi inevitável que a pérola moura correspondesse ao amor do poeta. Quando Almanzor retornou, o coração da princesa já se encontrava cativo das preciosas palavras de Ali. Mas o Califa também era homem de palavra, e assim concedeu a mão de sua filha ao perseverante Almanzor. Dilacerado pela dor, Ali se jogou de um penhasco provocando uma espécie de efeito dominó de saltos ao vazio, pois Cántara seguiu o desespero do amado e também se lançou das alturas. Consumido pela culpa, o Califa se precipitou da montanha de Benacantil, onde hoje se encontra o castelo de Santa Bárbara. Após a última tragédia, o rosto amargurado do Califa surgiu na encosta da montanha como se tivesse sido desenhado a lápis. A sequência trágica dos acontecimentos e o mistério do rosto na rocha fizeram com que os assombrados súditos unissem para eternidade um amor impossível…e a cidade passou a se chamar Alicántara. 

Explanada de Espanha 

Lucentum, Alicántara, Alacant ou Alicante atravessou os séculos mudando de nome e de domínio mas o que permaneceu intacto foi sua privilegiada localização geográfica. Seus penhascos desérticos fazem um suave contraste cromático com os diferentes tons de azul do Mediterraneo. Por suas areias brancas e a luminosidade do sol, o litoral de toda província é conhecido como “Costa Blanca''. Na cidade encontramos esbeltas palmeiras enfileiradas flanqueando o passeio marítimo denominado “Explanada de España.” Seu piso de mármore tricolor tem um desenho ondulado que é reconhecidamente inspirado no calçadão da nossa princesinha do mar; Copacabana.O primoroso planejamento paisagístico, a praia “del Postiguet”, os cafés, a marina com seus elegantes iates, e a arquitetura do edifício “Casa Carbonell” legitimam a aristocracia  desta luminosa princesa.

Os bares e restaurantes mais agradáveis estão no bairro de Santa Cruz, que é a barra da saia do monte Benacantil onde  no alto está o Castelo de Santa Bárbara…e o perfil de “La cara del moro” desenhado na pedra. Este bairro é o coração do "casco antigo” e embora se chame Santa Cruz tem um certo ar morisco...talvez pelo olhar triste do mouro que nos vigia. Num labirinto de escadas subindo e descendo a encosta da montanha encontramos um casario pitoresco de cores vivas, azulejos decorativos, flores e vasos de plantas. Lembra bastante a Andaluzia e a sensação é de acolhimento e tranquilidade. Baixando um pouco - ainda no bairro - o passo lento de viajante contemplativo dá lugar ao passo do turista eufórico, contaminado pela agitação do “Tardeo”; o ritual alicantino de desfrutar de tapas e bebidas ainda pela tarde. E para quem quer respirar “el aire de la calle”, a oferta de mesas na rua/ "terrazas" é tão abundante quanto a variedade de comidas e tapas. Destas últimas se pode escolher entre as mais comuns como olivas, mariscos,”patatas bravas” ou as mais sofisticadas como “Pulpo de Roca”, “Piruleta de Bogavante”, “·Piruleta de lomo ibérico” croquete de camarão, bolinho de bacalhau e “pollo pincantón” ao molho de mel e amêndoas .

Bairro de Santa Cruz.

É bom lembrar que as tapas são um conceito aberto, criativo, e até lúdico…por isso se fala de pirulito de lagosta e pirulito de lombo ibérico. Para contrastar com o gosto amargo da lenda dos amantes mouros, os árabes também deixaram uma doce herança que talvez seja o produto mais emblemático da província de Alicante; se trata do Torrone. Esta sobremesa, natalina por excelência, não foi inventada em Alicante porém a província e mais especificamente a cidade de Jijona é reconhecida mundialmente como a Meca de sua elaboração artesanal. Antigamente os torrones se faziam com mel e o fruto seco cultivado em cada região; avelã no norte, nozes no sul e amêndoas tostadas na província alicantina. O torrone de Alicante difere do de Jijona na constituição da massa que o envolve; enquanto neste as amêndoas são bem trituradas com mel e clara de ovo dando uma textura macia, aquele é mais duro com as amêndoas em grandes pedaços.   

Torrone de Alicante

Alicante se encontra no litoral da Comunidade Valenciana e faz fronteira com a região de Murcia, justificando assim, que seus pratos consagrados tenham como base o arroz, as verduras e os mariscos. O “Arroz a banda” é um dos mais requisitados. E a versão alicantina, difere um pouco do ”Arroz a banda'' servido em Valência. A origem do nome é porque antes o arroz era colocado na mesa e os peixes e mariscos à parte (a banda). Mas hoje é “tudo ao mesmo tempo agora”, sendo a chave para o sabor delicioso o caldo de peixe em que o arroz é cozido e um molho generoso à base de alho, “ñoras”(espécie de pimentos doces característico da região), tomate, “choco”(um molusco), e camarão… entre outros ingredientes. Infindáveis são os pratos elaborados com arroz na província de Alicante que ainda conta com o “Arroz a la alicantina”, “Arroz com crosta", “Arroz negro alicantino”...

Arroz a banda


Os arrozes são, sem dúvida, o estandarte da cozinha alicantina. Não deixa de ser curioso que o nome da cidade se origine de uma trágica história de amor, mas ao mesmo tempo  sua gastronomia seja reconhecida por um cereal que simboliza os bons augúrios da fertilidade, da prosperidade, do cuidado e da colheita…enfim tudo aquilo que desejamos e jogamos em cima de um novo casal que tentará realizar em vida aquilo que Ali e a princesa Cántara só conseguiram, quizás, na eternidade.

Espero que tenha gostado da matéria, são histórias e sabores da Espanha que compartilho com carinho dicas e destinos.
https://www.instagram.com/luterobarbara/Até a próximo @luterobarbara
 
Link
Leia Também »
Comentários »
Comentar

*Ao utilizar o sistema de comentários você está de acordo com a POLÍTICA DE PRIVACIDADE do site https://paposabor.com.br/.
Fale pelo Whatsapp
Atendimento
Fale conosco pelo Whatsapp