29/01/2021 às 08h55min - Atualizada em 29/01/2021 às 08h55min

Cogumelos e vinhos tem relação além das leveduras do mosto

Salteados, grelhados ou assados. Aprenda oportunidades de harmonização

- Papo Sabor
Revistaadega.uol.
Foto: divulgação



Não vai longe o tempo em que a única referência que tínhamos em termos de cogumelos era o Champignon. Na maioria das vezes, em conserva. Nada contra, tudo tem seu tempo e lugar. Mas tudo evoluiu e hoje temos acesso a uma variedade tão grande de cogumelos que fica difícil não apenas guardar o nome de todos eles, como até mesmo, pronunciar alguns.

E isso, para nós, enófilos, é uma bênção, pois vinho e cogumelos são como alma e corpo. O cogumelo é a materialização da essência de diversos vinhos. Inclusive alguns dos grandes ícones.

Não há amante de vinho que não venere uma trufa. E para quem não sabe ainda o motivo, vamos citar apenas algumas regiões e rótulos onde os aromas de trufa são muito marcantes no buquê dos vinhos: Pomerol (Pétrus, Clinet, Lafleur), Pauillac (Latour, Lafite-Rothschild), Vosne-Romanée (Richebourg, La Tache, Romanée-Conti), e os exemplos seguem por Châteauneuf-du-Pape, Hermitage, Barolo, Brunello di Montalcino etc.
 
Além disso, a conexão entre vinho e fungos não poderia ser mais visceral, afinal, a bebida jamais existiria se não fosse a ação de leveduras. Evidentemente, os fungos que temos à mesa são significativamente diferentes das leveduras que criam o vinho, mas, de uma raiz em comum, podemos construir uma metrópole.

Tipos de cogumelos:

Apesar de serem apresentados em algumas preparações variadas, os cogumelos não são exatamente os alimentos mais versáteis. Eles não devem ser submetidos a temperos muito fortes ou combinados com alimentos com grande predominância gustativa. Seus temperos ideais são cebola, alho e tomilho, admitindo mais algumas ervas como alecrim, salsinha e sálvia. Acompanham bem risotos, massas, filés e aves.

A forma de preparo também não varia tanto. Os cogumelos normalmente são feitos salteados, grelhados ou assados. O que varia são os tipos. Dos selvagens aos cultivados, há uma oferta bastante razoável à disposição. Entre os mais comumente encontrados, além do tradicional cogumelo branco, ou cogumelo de Paris,

Harmonização:

Na hora de harmonizar os cogumelos, devemos ter em mente sempre duas coisas. A primeira é o umami, o quinto gosto essencial. A segunda é em que preparação o cogumelo está presente.

A primeira nos conduz a uma regra geral, ou seja, pratos ricos em umami, como é o caso dos cogumelos, harmonizam melhor com vinhos não muito alcoólicos, com acidez pronunciada e bastante frutados. Essa regra nos faz pensar naquele grupo de vinhos que inclui Borgonha, Dolcetto, Barbera, Sancerre tinto, Chinon, Beaujolais, Pinot Noir da Nova Zelândia, entre outros. Com qualquer um desses vinhos, certamente não haverá erro. Para não ficarmos em cima do muro, se você quer ainda mais precisão: Pinot Noir.

Mas (felizmente) não estamos limitados a essas alternativas. Como os cogumelos – apesar de não tão versáteis na forma de preparo – podem ser adicionados a uma grande quantidade de receitas, a lista de vinhos aumenta bastante. Portanto vejamos alguns exemplos.

O Enoki pode ser utilizado em saladas. Assim, os brancos entram em cena. Podemos harmonizar essa salada com brancos sem muita ou nenhuma madeira, talvez um Chablis, um Grüner Veltliner ou um Sémillon de Hunter Valley para uma salada com mais corpo. Se o cogumelo for o Chanterelle em vez do Enoki, um Riesling ou até mesmo um Gewürztraminer pode ser uma boa opção, sempre levando em conta os demais componentes da salada, claro.
Se os cogumelos estiverem em preparações com massas, risotos ou aves, além dos tintos já mencionados, podemos adicionar o tradicional Chianti, o Vino Nobile de Montepulciano, alguns Douro bem escolhidos, ou um Carménère chileno.

Cogumelos em massas ou risotos combinam com Chianti ou até com Carménère chileno.

Se estiverem escoltando carnes vermelhas, teremos que partir para algo ainda mais robusto, mas sem chegar ao topo. Qualquer Bordeaux, Hermitage, Châteauneuf-du-Pape, Gigondas, Vacqueray, Barolo, Barbaresco e Brunello di Montalcino.

E não, não nos esquecemos das trufas, não há como nos esquecermos delas. Barolo ou Barbaresco. Corpo e alma.

Se liga na receita de cogumelos recheados na coluna - Receitas - entradas. 

Por: revistaadega.uol.

 
 
Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Comentar

*Ao utilizar o sistema de comentários você está de acordo com a POLÍTICA DE PRIVACIDADE do site https://paposabor.com.br/.
Fale pelo Whatsapp
Atendimento
Fale conosco pelo Whatsapp