06/05/2021 às 22h22min - Atualizada em 06/05/2021 às 22h22min

Churrasco Gaúcho em Terras Catarinenses

Especializado em preparar carnes portenhas. incluindo o preparo e a churrasqueira

Claudio Carada - Papo Sabor
Foto: Pablo Ramosh


Nascido em Uruguaiana na campanha gaúcha, Régis Streck da Cruz o Chef De La Cruz como é conhecido por seus seguidores, com 10 anos mudou-se para Santa Maria.

Criado no interior, de Água Boa, distrito de Arroio do Só, conta que os pais tínham uma chácara com algumas ovelhas, algumas cabeças de gado, galinhas, ganso, e uma bela de uma horta que cuidava com o pai. 

Foto: Pablo Ramosh

- Cresci participando de rodeios e sempre me colocava a disposição da comunidade. Seja buscando lenha, até chegar a começar a ser responsável por alguns espetos nas grandes voltas de fogo que esses eventos tinham.

Com 8 anos fiz meu primeiro churrasco sozinho para família. Desde rachar a lenha até servir meu Pai...com quem tanto aprendi nesses ensinamentos do churrasco. A escolha da lenha, o fazer o fogo, o controle de temperatura, escolhas dos acompanhamentos, a comunicação com minha mãe na hora certa de fazer o arroz e a salada. São traços que carrego comigo até hoje. 

Foto: Pablo Ramosh

Juntei esse conteúdo intrinsico com muito estudo e prática dentro da cozinha profissional.  Algo que alavancou minha carreira.

Foto: Pablo Ramosh

Em entrevista para o Papo Sabor 
Régis Streck da Cruz respondeu algumas perguntas para nós: 

1- Qual foi momento que você conheceu a arte do churrasco e a cozinha?
R- Nasci em Uruguaiana, vivo o fogo desde meses de idade! Meus pais sempre participavam da Califórnia da canção Nativa, para apreciar meus tios músicos nativistas. Fiz meu primeiro churrasco sozinho com 8 anos. Sempre tive esse apreço por estar em volta do fogo, roda de conversa e principalmente gosto por servir a família e amigos.

2-Como você costuma se apresentar?
R- Sou reconhecido como Chef de la Cruz. Atualmente atuo com uma parrilla móvel, indo até o local desejado pelo cliente, tornando cada serviço único e personalizado.

3- Quando que aconteceu e como foi a sua transformação digital? 
R- Já fui muito mais "grosso" com relação ao digital. Não me familiarizava muito com as novas tecnologias. Mas Deus colocou uma mulher incrível em meu caminho que me ajudou demais a me adequar a realidade mais virtual. Minha esposa, Kauanny, é especializada em  Marketing digital com mais de 10 anos de experiência na área. Me ensinou os caminhos...agora sigo os passos dela.

4- Fale um pouco sobre a sua experiência em festivais?
R- Me dedico exclusivamente a minha empresa a pouco tempo. Em 2020 começamos a engrenar no mercado e logo veio a pandemia. No início de 2021 o cenário era positivo e veio a nova onda, impossibilitando minha participação em festivais. Mas já tenho contatos e fico aguardando tudo isso passar pra me inserir de fato nessa vertente.

5- Quais os festivais que participou?
R- Ainda aguardo a oportunidade.
 
6- Como é essa relação com outros churrasqueiros?
R- Eu tenho um bom relacionamento com vários churrasqueiros. Sempre estou aberto a trocar experiências, a conversas sobre as tendências do mercado, a novas técnicas, qualidade de produtos. Sinto ainda, ser um setor um pouco fechado para novos aspirantes, mas com calma vamos ganhando espaço...merecido!
 
7- Com Pandemia e novo normal, qual a mensagem que vc deixaria para o mundo?
R- A saúde mental é tão importante quanto a física, estar rodeado de pessoas do bem, nunca teve tanto valor como hoje em dia.
Cuide -se sempre!
 
8- Quais são os planos para pós-pandemia?
R- Entrar com tudo nos festivais, procurando conhecer novos lugares, novos sabores e principalmente, muitas pessoas.
 
10- Quais são as pessoas que te inspiram neste meio?
R- Inúmeras...desde a família, até os mais gabaritados.  Alguns nomes: ja falecido Marcos Bassi, Francis Malmuns, Luciana Backi, Marcos Livi, Marcelo bolinha, Paula Labaki, Rômulo Morente, Bruno Salomão, Mário Portella, Roberto Bocabelo, e por aí Se vai...
 
11- O que o fogo significa para você?
R- Vida, paixão, cuidado!

De La Cruz  explica a diferença fundamentais das churrasqueiras Argentinas e Uruguaias. Ao contrário das nossas  a carne e os outros alimentos assam no calor da brasa, ou seja nada de fogo e labaredas em contato direto. As grelhas uruguaias são de ferro com formato circular, mantendo a temperatura alta mesmo com uma quantidade considerável de carnes.A grelhas Argentinas ainda possuem cnalhetas que reservam a gordura da carne. 

Contato para eventos: 
Contatos do De La Cruz
Fone/whats: (55)999055909
E-mail: contato@chefdelacruz.com.br
Insta: @chefdelacruz1
Fotos: @pabloramosh


 
Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Comentar

*Ao utilizar o sistema de comentários você está de acordo com a POLÍTICA DE PRIVACIDADE do site https://paposabor.com.br/.
Fale pelo Whatsapp
Atendimento
Fale conosco pelo Whatsapp